20 de julio de 2006

Europeade









Esta ciudad bulle de filosofía europeísta. Europa se vuelca con Zamora y viceversa.

No hay fronteras que no pueda quebrar la música, la danza, ni la alegría que se aloja en el espíritu de las gentes cuando se va a ofrecer y compartir.

Las guerras alejan a los pueblos, los masacran. La danza los unifica y les inoculan un poso de felicidad.

Cada rincón, cada calle, cada plaza bulle de esperanza y de color. Y mientras cinco mil europeos de diferentes puntos se miran y se sonríen, se enlazan las manos y cantan, las bombas siguen cayendo en El Líbano, en aquél país de los cedros, en aquélla ciudad cosmopolita y gentil de Beirut donde las mujeres cubren sus cabezas, llevan minifaldas y bailan hasta el amanecer en cualquier discoteca.

Ahora lloran y sufren.

5 comentarios:

Choninha dijo...

É uma cidade europeia, concerteza!

A bela Zamora, de que já conheço um pouco, graças a ti!

E tens toda a razão, a dança unifica-nos. A linguagem do corpo não tem barreiras.

É interessante, o que nos une, culturalmente também nos afasta, basta juntar um pingo de intolerância.


Quanto ao meu blogue apeteceu-me mudar um pouco, menos palavras e mais imagens: tipo moda primavera/Verão, uma versão mais fresca da Choninha.

Além disso, quero ter o meu livro acabado em Fevereiro, não me posso dispersar muito... Depois mando-te um e-mail para te falar nisso, pedir-te a tua opinião sobre o tema.

Beijo amiga. Estás sempre no meu coração, minha favorita!

TUICE dijo...

la danza expresa con mas espectadores lo que se quiere expresar, o lo que se quiere ocultar. La mejor historia se conoce en el lugar de la danza, siempre hay lágrimas y siempre sonrisas

rouxinol de Bernardim dijo...

Zamora europeia tem muito salero!

antona dijo...

Precioso reportaje fotografico.Buen finde
salu2

zenite_2 dijo...

E a atestar que Zamora é uma cidade de paz, temos o "Tratado de Zamora", um tratado de paz celebrado em 1143 entre D. Afonso VII, rei de Leão e seu primo D. Afonso I de Portugal (Afonso Henriques).

É bem certo que Afonso VII não reconheceu a Afonso Henriques a realeza, mas não se opôs a que usasse o título de rei. :))

Nascia, assim, o reino de Portugal.